Sindicatos marcam protesto e greve contra governo na Argentina

A CGT (Confederação Geral do Trabalho) argentina, que realiza atos de protesto contra o governo nesta segunda-feira (24), definiu que na terça-feira (25) haverá uma greve geral.

Não funcionarão aeroportos, ônibus, metrô, trens interurbanos, os serviços de abastecimento por caminhões, táxis, supermercados, hospitais, escolas e bancos.

A medida já vinha sendo negociada desde a semana passada, mas só foi ratificada na manhã desta segunda.

Entre outras coisas, os sindicalistas protestam contra a inflação, uma vez que o governo garantiu durante as negociações do primeiro semestre que ela seria de 15% no ano, e a previsão agora é que seja de, no mínimo, 40%.

Os sindicatos criticam também a retomada das negociações com o FMI (Fundo Monetário Internacional), no que deve resultar num endividamento ainda maior do país —o acordo inicial era de US$ 50 bilhões (R$ 202,4 bilhões), agora se fala de um extra de até US$ 12 bilhões (R$ 48,6 bilhões) — e os possíveis cortes nos valores das pensões e aposentadorias.

Além disso, o governo ameaça retomar as discussões sobre uma possível reforma trabalhista, que permitiria terceirizações.

O protesto também se dirige à deterioração dos números econômicos. A indústria teve uma redução de 4% no último mês, a inflação está por volta de 25% e a pobreza já alcança em 32%, com tendência de crescimento.

A concentração para o protesto deve começar ao meio-dia local (mesmo horário de —Brasília) na avenida Nove de Julho, de onde os manifestantes vão caminhar até a Praça de Maio, diante da Casa Rosada, sede do governo argentino

Quem tiver voos programados para a Argentina na terça-feira deve buscar a companhia aérea para se informar sobre remanejamentos. Nem pilotos nem funcionários das torres de controle devem trabalhar.

Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *