País fechou 43.196 vagas de emprego formal em março

O país fechou 43.196 vagas de trabalho com carteira assinada em março. O saldo é o pior para o mês desde 2017, quando foram 63.624 postos a menos. No mesmo mês do ano passado, 56.151 vagas haviam sido criadas.

O número do mês passado é resultado de 1.261.177 contratações no período contra 1.304.373 demissões. As informações do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) foram divulgadas pela secretaria especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia nesta 4ª feira (24.abr.2019).

O resultado veio na direção oposta às projeções dos analistas de mercado, que esperavam criação de vagas no mês. Segundo o secretário do Trabalho, Bruno Silva Dalcolmo, o movimento de março “é natural” e mostra que os empresários, em especial do comércio, “atrasaram as demissões que são típicas do início do ano”. Em fevereiro, 173.139 vagas foram criadas.

A retração no mercado de trabalho coincide com as revisões dos economistas para o crescimento da economia em 2019. Boletim Focus divulgado na 2ª feira (22.abr) mostrou que a projeção para o PIB caiu para 1,7%. Mário Magalhães, coordenador geral de Estatísticas do Trabalho, afirmou que “há, de fato, uma expectativa se a economia vai decolar” neste ano. “Isso está na radar, mas é cedo para afirmar.”

No 1º trimestre do ano, o resultado está positivo em 179.543 vagas. Já no acumulado de 12 meses até março, o saldo é de 472.177 postos. Em 2018, o país criou 529 mil vagas de emprego formal depois de 3 anos de queda.

SALDO POR SETOR

Em março, 5 das 8 atividades analisadas registraram saldo negativo para criação de vagas. Os piores resultados foram registrados em comércio, agropecuária e construção civil.

Eis o saldo por setor:

serviços: 4.572
administração pública: 1.575
extrativa mineral: 528
serviços industriais de utilidade pública: -662
indústria de transformação: -3.080
construção civil: -7.781
agropecuária, extração vegetal, caça e pesca: -9.545
comércio: -28.803

POR REGIÃO

No recorte geográfico, todas regiões apresentaram saldo de emprego negativo em março.

Sudeste: -10.673
Sul: -1.748
Centro-Oeste: -1.706
Norte: -5.341
Nordeste: -23.728
TRABALHO INTERMITENTE E PARCIAL

Em março, foram registradas 10.328 admissões e 4.287 desligamentos no chamado trabalho intermitente. O saldo ficou em 6.041. No mesmo período do ano passado, o resultado havia sido de 3.199 empregos.

Criada por meio da reforma trabalhista, a modalidade permite jornada em dias alternados ou por horas determinadas. As principais funções que criaram empregos no mês foram: vendedor de comércio varejista (975), faxineiro (739) e vigilante (692).

Na modalidade de trabalho parcial, foram 7.085 admissões e 4.956 desligamentos. O saldo, portanto, foi de 2.129 vagas. No mesmo mês do ano anterior, o resultado havia sido maior, de 3.193.

O regime permite jornadas de até 26 horas semanais mais 6 horas extras ou 30 horas semanais. As ocupações que mais criaram vagas foram: professor de ensino superior na área didática (174), vendedor de comércio varejista (144) e repositor de mercadorias (116).

SALÁRIO MÉDIO

O salário médio de admissão no mês passado foi de R$ 1.571, queda real (já descontada a inflação) de 0,51% em relação ao mesmo mês do ano anterior. O salário de desligamento foi de R$ 1.706, redução real de 1,69% nessa base de comparação.

Poder 360º

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *