Manter Selic dificulta crescimento da economia e geração de empregos

Ao manter a taxa Selic, os tecnocratas do Copom (Comitê de Política Monetária) mostram que continuam insensíveis ao sofrimento de 66 milhões de pessoas que estão fora do mercado de trabalho.

O Copom segue regiamente a cartilha do mercado, de manter a inflação sob controle em detrimento de 34,1 milhões de pessoas que estão no setor informal, que são os trabalhadores por conta própria e os sem carteira.

Ter um emprego formal e poder sustentar suas famílias com dignidade é o sonho dos trabalhadores, vítimas da crise econômica que assola o País. A quem interessa manter 66 milhões fora do mercado de trabalho?

Na verdade o Copom está com excesso de cautela, e quem ganha com isto são os especuladores. Basta ver o lucro dos principais bancos do País no 1º semestre de 2018

E o governo tem contribuído para isto. É só conferir os dados da vida real: juros do cheque especial são de 304% ao ano, o crédito rotativo está em 313% ao ano e o crédito não consignado (pessoa física) está em 114,7% ao ano.

É preciso que o governo adote medidas de estímulo ao crescimento econômico para criar novos postos de trabalho a fim de enfrentar a expectativa de desaceleração da economia, que vem caindo.

Uma dessas medidas é a redução da taxa de juros. Manter os juros altos é escolher uma política para privilegiar os especuladores, em vez de destinar os recursos para a produção.

Investir na indústria, comércio e serviços gerará empregos, movimentará a economia e criará um círculo virtuoso que beneficiará a todos.
Miguel Torres

Presidente interino da Força Sindical

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *